“Queremos romper com o tradicionalismo dos lares”

fernando-vendeirinho
14 de Fevereiro de 2013

Fundador da AMITEI recebeu elogios pela
qualidade e dimensão do projeto e diz que se vai
distinguir dos já existentes. Será a sua “última obra
em prol da população e do conhecimento
 

 

O que torna este lar diferente de todos os outros?

Essencialmente a sua dimensão, pormenor e tecnologia introduzida. Foi um projeto em que o programa PARES e a Segurança Social apostaram fortemente e eles são os próprios a reconhecer que esta obra se vai distinguir.

 É por isso que diz que é uma obra de referência?

Isto é uma aposta desta direção e de todo o staff técnico que nos acompanha. Queremos romper com um certo tradicionalismo dos lares. Há um estigma muito forte em que um lar é o sítio para onde as pessoas vão morrer. Nós queremos dizer que um lar é para onde as pessoas vão viver. É o local onde se sentem como se estivessem a viver na sua casa. Queremos ser inovadores e criar uma dinamização e uma interação com todos os idosos, envolvendo-os em atividades de carácter artístico, teatral e musical, desenvolver trabalhos de artesanato, pintura.
 Que reações recebeu de quem estreou as instalações?

Está a agradar-nos muito as reações das pessoas, pela positiva. Muitas delas nunca pensariam que o lar tivesse este conforto, esta dimensão e as condições magníficas para acolher os idosos. Para eles, isto é quase um hotel de cinco estrelas, um lar de cinco estrelas. Não é de cinco estrelas, não existe essa classificação, mas eles atribuem algum estrelato ao lar.

 Será a sua última obra associativa?

Sim. Vou fazer os possíveis para continuar ligado à AMITEI e remeter-me para funções mais sossegadas, mas estarei disponível para colaborar com os órgãos diretivos. Está no meu ADN, desde que me conheço, o meu empenho em prol da população e conhecimento. Vou preparar a sucessão no cargo, mas infelizmente não abundam quadros associativos. Tenho 71 anos e pela atividade que desenvolvi, sinto que é a minha última obra. É preciso trazer gente nova para aqui.

 Esta foi a sua missão para a sociedade?

Era a parte que me faltava completar para contribuir para a sociedade.